Conhecimento é poder

Hoje assistindo a um episódio de Game Of Thrones ( 1° episódio da 2° temporada )  ouvi essa frase: Conhecimento é poder.

Há algum tempo diria com toda certeza do mundo que a ignorância é uma benção. Porque não saber nos poupa de muitas coisas. Não saber protege a alma das agruras do mundo, nos mantém sob um manto de ingenuidade quase infantil, uma proteção débil e ilusória, ninguém pode viver para sempre à parte.

O conhecimento descortina o mundo e te força a agir. Agir conforme a própria consciência, não pela conveniência. A ética social e a moral devem estar em sintonia. A ignorância é um bom refúgio para aqueles cuja a verdade não tem muita importância, ou ainda, para aquelas pessoas que preferem não ver, porque ao tomarem conhecimento daquilo que fogem, serão obrigadas a reagirem. Omissão é irmã da covardia.

E pensando nisso acabei me lembrando de um dos meus professores do curso de Direito. Sociologia Jurídica é uma disciplina superficial (isto é, não é uma disciplina puramente jurídica) que busca debater a sociedade, o controle da sociedade e em como o Direito transita e altera o curso de todas as coisas. Entre o seu programa de aula, há um grande número de textos sobre Karl Marx e Lenin, incluindo uma exaltação clara e bastante perigosa acerca de Marx. Àqueles alunos cuja curiosidade não se acentua e aceita todas as teorias sem questionar e sem buscar outras fontes, são covardemente doutrinados. Como as ovelhas sem visão periférica, ouvem o som da voz do pastor e a seguem.

De todos os doutrinadores do Direito, esse professor era o único que não aceitava o debate, e se por algum motivo alguém discordasse do que ele dizia, era hostilizado e chamado de burro perante a sala. Nesse mesmo episódio de Game of Thrones, logo após Lorde Petyr Baelish dizer à Cersei Lannister que conhecimento é poder, ela mostra toda a sua autoridade sobre ele e profere: poder é poder.

Quem detém o poder guarda as chaves do certo e do errado, mas mais importante do que isso, ele tem decisão sobre o que mostrar. Há hoje (e talvez tenha sido sempre assim) uma imensa doutrinação nas universidades, muito mais do que o lecionar e direcionar o aluno ao pensamento crítico. Oras, se eu só leio e aprendo sobre A, como poderei questionar B? A universidade não é uma fábrica de inteligência, ela é na verdade, uma forjadora de genialidade. Forjadora não no sentido pejorativo da palavra, mas ela ( a universidade) é quem modela, lapida o que já foi criado. Dar chances e a oportunidade de discutir as duas faces de uma moeda é o mais genuíno conceito de Direito, de fazer Direito e com ele esperamos fazer a sua justiça. Irônico e um tanto contraditório, para um curso de Direito.

Conhecimento é poder e deve ser maior do que o poder pelo poder. Poder pelo conhecimento é uma arma afiada que poucos sabem controlar e conduzir. Eu espero que os últimos acontecimentos no país abra os olhos da juventude brasileira, principalmente as de nível superior, onde a responsabilidade dos atos é mais cobrada. Há um ano o Brasil vive uma atmosfera diferente e mais questionadora. Certas doutrinas vêm sendo quebradas, o tempo do ‘poder é poder’ acabará, só restará o conhecimento dos bravos guerreiros que cultivam a verdade.